O paradigma da abominação da inveja

Conta a Wikipedia, dona das verdades, que a inveja só foi ser considerada um pecado capital para o cristianismo no final do século VI, quando o Papa Gregório I resolveu que a melancolia não era tão ruim, assim. Apenas 5 coisas, segundo tal Papa, eram piores do que a da ideia de invejar outro ser. Ok, legal, mas… Qual o motivo, exatamente, de tanto alvoroço encima de tal sentimento?

Todos têm inveja; todos invejam algo, de certa maneira. Todos se beneficiam da inveja.

Ein? Como? Beneficiam-se? Pois é. Beneficiam-se, sim. Primeiro, a inveja já se mostra presente até quando alguma pessoa perto de ti tem, digamos, um calçado, qualquer que seja, que você tenha achado legal. Logo, você pede à pessoa onde ela comprou tal calçado. Pronto! Uma manifestação simples, sutil, de inveja. Quando você faz a pergunta, demonstra que há um interesse em ter a mesma coisa que a pessoa interrogada.
Agora, com a ideia na cabeça de ter tal calçado, você vai, mesmo que apenas inconscientemente, se empenhar para consegui-lo. De fato, este é apenas um exemplo simples, mas você pode imaginar isso elevado à potência que desejar. Eu, por exemplo, tenho uma consciente inveja, que não é pequena, quando vejo gênios como Stephen Hawking. A vontade de ser como ele é imensa, além da razão; a admiração é muito grande, eu realmente gostaria de ter uma inteligência como a dele… Eu o invejo.
O fato de invejá-lo me leva a estudar mais sobre ele, ler seus textos, escutar suas palestras, tentar entender suas explicações. Isso tudo me deixa, indubitavelmente, mais inteligente.

Minha personalidade hoje, em grande parte, está do jeito que está pois eu invejei pessoas e quis me transformar em algo como elas; em algo maior, de certa maneira.
Platão certamente tinha inveja de Sócrates. Isso deve ter o feito estudar mais e tornar-se o filósofo que foi.

Invejar pessoas com mais dinheiro que você faz com que você trabalhe para conseguir algumas coisas que elas têm e que você também sonha em ter.

A inveja cria a admiração, a inveja dá forças às pessoas, dá motivos, objetivos, a inveja inspira, a inveja é uma das fontes de criatividade mais poderosas na humanidade, para que quem dela se aproveite consiga as coisas que quer.

Viu só? Com um pouquinho de ceticismo, já dá pra notar que nem tudo que é considerado ruim realmente é, de todas as maneiras…

Anúncios

O tempo e o cérebro

Oi, você vem sempre aqui?

Hey, você sabe que dia é hoje? Pois é.. Hoje é dia 25 de agosto… e eu paro para relembrar que a poucos dias mentais eu estava comemorando, por exemplo, o inicio deste ano…. Sim queridos leitores, o tempo passa pelos nossos olhos com uma velocidade exponencial que me assusta.. Mas, como sabemos, o tempo é relativo, e depende muito, de novas experiencias, o problema surge quando mesmo as novas experiencias tornam-se rotineiras.

Não irei falar muito sobre este assunto hoje, ao invés, trarei a vocês (segundo a fonte que me enviou) um artigo que certa vez surgiu no Jornal “O estado de São Paulo”, de Airton Luiz Mendonça. Recebi-o por e-mail há muito tempo, e bem, acho que explica perfeitamente o meu conceito de relatividade do tempo… Espero que gostem.

O cérebro humano mede o tempo por meio da observação dos movimentos.
Se alguém colocar você dentro de uma sala branca vazia, sem nenhuma mobília, sem portas ou janelas, sem relógio… você começará a perder a noção do tempo.
Por alguns dias, sua mente detectará a passagem do tempo sentindo as reações internas do seu corpo, incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono, fome, sede e pressão sanguínea.
Isso acontece porque nossa noção de passagem do tempo deriva do movimento dos objetos, pessoas, sinais naturais e da repetição de eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.
Compreendido este ponto, há outra coisa que você tem que considerar:

Nosso cérebro é extremamente otimizado.

Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.

Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil pensamentos por dia.

Qualquer um de nós ficaria louco se o cérebro tivesse que processar conscientemente tal quantidade.

Por isso, a maior parte destes pensamentos é automatizada e não aparece no índice de eventos do dia e portanto, quando você vive uma experiência pela primeira vez, ele dedica muitos recursos para compreender o que está acontecendo.

É quando você se sente mais vivo.

Conforme a mesma experiência vai se repetindo, ele vai simplesmente colocando suas reações no modo automático e ‘apagando’ as experiências duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai compreender porque parece que o tempo acelera, quando ficamos mais velhos e porque os Natais chegam cada vez mais rapidamente.

Quando começamos a dirigir automóveis, tudo parece muito complicado,
nossa atenção parece ser requisitada ao máximo. Então, um dia dirigimos trocando de marcha, olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando ao celular ao mesmo tempo.

Como acontece?

Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem anterior, na mente); O cérebro já sabe qual marcha trocar (ele simplesmente pega suas experiências passadas e usa, no lugar de repetir realmente a experiência).

Em outras palavras, você não vivenciou aquela experiência, pelo menos para a mente. Aqueles críticos segundos de troca de marcha, leitura de placa.. São apagados de sua noção de passagem do tempo…

Quando você começa a repetir algo exatamente igual, a mente apaga a experiência repetida. Conforme envelhecemos, as coisas começam a se repetir – as mesmas ruas, pessoas, problemas, desafios, programas de televisão, reclamações…
enfim… as experiências novas (aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade, fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades), vão diminuindo.

Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer o que tivemos de novidade na semana, no ano ou, para algumas pessoas, na década.

Em outras palavras, o que faz o tempo parecer que acelera é a ROTINA!!

Não me entenda mal.

A rotina é essencial para a vida e otimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário
acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo: M & M (Mude e Marque).

Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo um ritual, uma festa ou registros com fotos..

Mude de paisagem, tire férias com a família (sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente, para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e marque com fotos, cartões postais e cartas.

Tenha filhos (eles destroem a rotina) e sempre faça festas de aniversário para eles, e para você (marcando o evento e diferenciando o
dia).

Use e abuse dos rituais para tornar momentos especiais diferentes de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos, bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do aniversário de formatura de sua turma, visite parentes distantes, entre na universidade com 60 anos, troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba, compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows, cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.

Escolha roupas diferentes, não pinte a casa da mesma cor, faça diferente.

Beije diferente sua paixão e viva com ela momentos diferentes.

Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes, busque experiências diferentes.

Seja diferente.

Se você tiver dinheiro, especialmente se já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou amigos para outras cidades ou países, veja outras culturas, visite museus estranhos, deguste pratos esquisitos….. em outras palavras.. V-I-V-A. !!!

Porque se você viver intensamente as diferenças, o tempo vai parecer mais longo.

E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes, seu livro será muito mais longo, muito mais interessante e muito mais v-i-v-o… do que a maioria dos livros da vida que existem por aí.

Cerque-se de amigos. Amigos com gostos diferentes, vindos de lugares diferentes, com religiões diferentes e que gostam de comidas diferentes.

Enfim, acho que você já entendeu o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para expandir seu tempo, com qualidade, emoção, rituais e vida..

Eu que não me sento no trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar…”

Raul Seixas…

Post de 5 minutos…

banner5

Apenas para dar continuidade ao processo de postagem… Vou escrever este post no tempo maximo de 5 minutos e sem edições, ou seja, proibido para menores de 18 anos mente ligada diretamente no teclado. Sabe aqueles dias em que parece que as coisas não rendem? Em que você olha para o seu trabalho ou seu estudo e é tão eficiente quanto olhar uma folha em branco? Onde parece que os seus devaneios são muito mais interessantes que qualquer coisa que você esteja fazendo? Pois é… É tem uma folha em branco neste momento, e tenho mais 3 minutos para completa-la…

Alias, os devaneios são sempre ótimos, onde você fica olhando para aquele ponto fixo aleatório e esquece do mundo por 5 minutos, nestes cinco minutos, nada importa… Mas são nos devaneios que as vezes surgem as epifanias, e das epifanias que surgem os devaneios… O fato é que axo que sem esses minutos vagos, as mentes não sobreviveriam… É carga demais… Restando mais 30 segundos para terminar este texto, creio que a solução para a mente voltar a funcionar é dar uma caminhada… espairecer… geralmente funciona… As vezes até cria novas ideias sabiam? Tentem… Depois me digam se sou o único… Até mais…

A sensação de estar fazendo uma coisa que ja foi feita…

Oi, como vai você? O assunto de hoje trata espinhas, cravos e acnases daquilo que acontece comigo, e certamente já aconteceu com algum de vocês leitores… Déjà vu… Um Déjà vu para quem não lê os leigos é “a sensação de estar fazendo uma coisa que já foi feita…”. Se você já se sentiu em uma situação repetitiva por favor clique aqui. Esclarecido agora que o conteúdo do vídeo não é musica decente tem nada a ver com o assunto corrente, de um modo resumido, pode-se dizer que um um Déjà vu é como sentir quando tem alguém te observando e você pensa que a pessoa se escondeu no momento em que você olhou para aquela janela, mas que na verdade essa pessoa planeja te assassinar com um moedor de carne que foi comprado de um ex-açogueiro na bolivia que se esta fazendo uma coisa que já foi feita.. Dias atrás eu sofri de um déjà vu que tive ao olhar para o template deste blog, pois tinha a perfeita impressão de que já havia “sonhado” com aquela imagem antes…. e mais especificamente com a imagem do banner deste post… Ou seja, de uma certa maneira, eu estava tendo a sensação de estar fazendo uma coisa que já foi feita!

Mas o Déjà vu (sensação de estar fazendo uma coisa que já foi feita) verdadeiro é aquele que vem da bahia diferencia-se de outros momentos do qual nos perguntamos se já vimos aquela cena, pessoa, lugar, por termos certeza de que aquilo aconteceu mas ao mesmo tempo sabendo com certeza que aquilo era impossível de ter sido realizado no passado! inclusive a ponto de prever as futuras ações…

Portanto, quando você estiver tendo a melhor transa de sua vida se deparar com um acontecimento como este, lembre-se… ÉPode ser tudo coisa da sua mente…. Ou seja, nada mais do que a sensação de estar fazendo alguma coisa que já foi feita…

Memoria com sabor de semente de girassol…



Olá queridos fãs leitores, bem vindos novamente a mais um triste episódio de filosofia cabeluda, em busca de algum assunto para escrever, tive três inúmeras ideias ontem durante os dias que passaram desde o ultimo post.. Porém, devo dizer que esqueci de todos… Sim, todas as minhas ideias foram sugadas pelo meu inconsciente sombrio, inclusive surgiu a ideia de escrever sobre falta de memória, mas minha pesquisa sobre o assunto ainda não está completa, e para perfeita apreciação da imagem e som do seu televisor do post, irei adiar o assunto… Durante a busca pelo que fazer por assuntos recebi duas algumas sugestões, que foram as mais loucas variadas possíveis, desde como a alergia da praia dá alergia aos trevos, até essência de narguilé, e jutando ambas as ideias com o meu almoço, percebi como o mundo está perdido artificial…

Sim! Sim! Artificial demais! A comida, a bebida, os sabores, odores e tudo mais, está cada vez mais artificial, atualmente já temos até maquina de escrever elétrica aromas como a etilvanilina, um concentrado totalmente artificial geneticamente construído numa planta química que é 3 ou 4 vezes mais forte que a baunilha, geralmente utilizado por ser mais barato que extrair a vanilina (aroma extraído da semente de baunilha), eu acho inclusive que futuramente poderemos ter com fácil acesso qualquer aroma que queiramos, como por exemplo sola de sapado de all-star…

Por que isso é útil? Oras, para que façamos sanduíche industrial com sabor de sertanejo universitário! Não sei, acho que isto mostra que somos enganados todos os dias pelo que ingerimos… Mas quanto a isso, sinceramente, eu não me importo! Hahaha!!! Eu adoro coisas artificiais como hambúrguer de borracha de caminhão de supermercado e também aquelas pizzas prontas de plastico deliciosas…

Bom, por hoje chega, no fundo depois de enrolar vocês escrever sobre este pé-no-saco de assunto interessantíssimo alivio minha tensão de publicar algo… Me desculpe se não foi bom pra você não abri o suficiente suas mentes por hoje, mas em breve prometo me redimir, até mais, e sempre olhe pros dois lados antes de atravessar a rua, pois ontem mesmo, quase me atropelaram…Dictum et factum.

Breve pensamento

Em uma madrugada de filosofias com o Rodrigo C., tivemos uma discussão que, hoje, me trouxe a esse pensamento:
Um tijolo não é uma casa, um elétron não é um átomo, um neurônio não é um cérebro, uma pessoa não é uma multidão, uma nota não é uma música. Mas é impossível fazer uma casa sem tijolos, um átomo sem elétrons, um cérebro sem neurônios, uma multidão sem pessoas ou uma música sem notas. E é de pequenas coisas que tudo se forma e até as torres mais altas começam do chão, sem intervalos até seu topo.

Ando muito pensativo, ultimamente. Me surpreende o fato de não ter tido a ideia desse post no banheiro…

As minhas ideias, a sua namorada, e os aplicativos das outras pessoas…

Acaba o pesadelo sonho, Paradise city – Guns N Roses toca em tom de despertador no celular, acredite, mesmo sua musica preferida pode ser odiada por você, basta usá-la de despertador. Banho gelado, recebo a nobre noticia, não haverá aula pela manha… Perdi horas de sono, ganhei horas de vida, café com marlboro para acordar, planejar a manhã, postar no blog? Estudar? Mais Marlboro? Ouvir musica? Mais café? Por que não os 5 ao mesmo tempo?

Responder e-mails, definir tarefas do dia, nada mudou de ontem para hoje, tudo ainda está no lugar e fora do lugar simultaneamente, o café está pronto, hora de programar…

Varias atividades, exemplos a seguir, bela apostila, tópicos em estrutura de dados, mas falta alguma coisa, talvez um lembrete… Ah sim… Eu não sei programar! Eu sou um bosta de um programador que passou diversos semestres aprendendo qualquer outra coisa… (Se você sabe do que eu estou falando, vai entender). Penso no futuro, o futuro está em ter ideias, ter ideias hoje em dia é difícil, sabe, parece que todas já foram usadas!!! Veja como exemplo os aplicativos feitos para IPHONE, tudo que você imaginar, já existe… Peguemos como tema a sua ex-namorada imaginaria, gostosa, se você quiser saber onde ela está, existe um aplicativo pra isso… Se você quiser saber o que ela vai fazer durante o dia, para encontrá-la acidentalmente para tentar comê-la tomar um café, existe um aplicativo para isso… Se você quiser programar o seu celular, para ligar automaticamente para ela todas as noites de madrugada para que ela se iluda encante com sua preocupação com ela enquanto na verdade você está num bar enchendo a cara com uma stripper sentada em cada perna, existe um aplicativo para isso… Se você precisar de uma substituta quase como uma irmã gêmea de sua ex-namorada simplesmente por que você sente tesão exclusivamente tem uma tendencia de se apaixonar por loiras, morenas ou ruivas, bom… Existe um aplicativo para isso… Se você precisa encontrar um anuncio de venda de um carro com potencia suficiente para jogar numa colina, para ela ir ao seu funeral e escutar que cara legal que você era, e ficar desolada, chorando, pensando que nem um outro homem a fez feliz como você e que agora ela vai morrer sozinha, velha, cheia de gatos, porque ela era uma idiota que não viu o que tinha bem na frente dela econômico para levá-la para passear… Bom, também existe um aplicativo para isso… E gente, eu estou falando apenas sobre os malditos aplicativos para celular…

Em resumo, isso mostra o quanto as ideias já estão escassas hoje em dia, mas creio que ainda existem muitas a surgir por ai… Ao final deste texto, procrastino minhas atividades para o fim da tarde. Ao menos, achei um assunto para postar… E por favor, comentem à vontade. Fallitur visio.